Less is More - O F.O.R.O.

Um fórum em defesa da Tirania, do Ódio, da Destruição, do Horror Sagrado e do Rock'n'Roll (não necessariamente nessa ordem...)
 
InícioInício  FAQFAQ  MembrosMembros  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  

Compartilhe | 
 

 Obscuridades do Rock Brasileiro / Parte I - Patife Band

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Kamikaze
Admin
avatar


MensagemAssunto: Obscuridades do Rock Brasileiro / Parte I - Patife Band   Sex Jun 27, 2008 11:43 pm

Obscuridades do Rock Brasileiro não se dedica a inventariar uma determinada perspectiva musical, mas sim a resgatar grandes bandas do passado do rock brasileiro, as quais, sobretudo em função das injunções de um mercado consumidor pouco à efeito à experimentação artística, bem como de uma economia em crise permanente (pelo menos até muito recentemente), não lograram ter uma carreira longa, ou mesmo que seu curto mas precioso legado pudesse ser devidamente conhecido pelas gerações futuras.

Formada em 1983 por Paulo Barnabé (vocais), André Fonseca (guitarra e voz), Sidney Giovenazzi (baixo e voz) e James Müller (bateria), a Patife Band surgiu no sobremaneira fértil e estimulante cenário da vanguarda paulistana da época, onde pontificavam formações como Grupo Um, Pé Ante Pé, Aguilar e Banda Performática, Rumo, Língua de Trapo, bem como figuras do porte de Arrigo Barnabé e Itamar Assumpção; não obstante, enquanto os artistas supracitados permaneceram (exceção feita ao free jazz do Grupo Um) inseridos em maior ou menor medida no idioma estilístico da MPB, a Patife Band caracterizou-se por um mix de tal legado com as linguagens do punk rock e do jazz de vanguarda, fusão essa devidamente envenenada por agulhadas de música dodecafônica e dada music metalingüística zappiana, não fosse Paulo irmão mais moço de Arrigo Barnabé. Em 1984, já com Cidão Moreira no lugar de James Müller, a banda começou a percorrer o circuito alternativo da Paulicéia, chamando a atenção da crítica.

No ano seguinte, fariam sua estréia discográfica com um ep lançado pelo selo da Lira Paulistana, célebre teatro que à época era o centro nervoso do experimentalismo musical na capital bandeirante. Em 1986, participou da trilha sonora do filme Cidade Oculta, de Chico Botelho, com a excelente Pregador Maldito, de autoria de Paulo Barnabé. A fita, uma instigante paródia de filme policial noir estrelada por Arrigo, Carla Camurati e Cláudio Mamberti, teve ótima receptividade de público, o que facultou a Paulo e sua gang um contrato com a WEA. No ano seguinte a banda enfim lançaria seu primeiro lp, Corredor Polonês. Infelizmente, contudo, a ousada fusão musical que praticavam não obteve repercussão comercial suficiente, de modo que a gravadora logo se desinteressaria pela banda. Sem apoio e viabilidade radiofônica, a Patife Band ainda resistiu até 1990, quando então encerrou suas atividades. 12 anos depois, em 2002, a WEA relançaria o álbum em CD, mas a falta de divulgação e o desinteresse geral de nossa malfadada imprensa 'cultural' por artistas inventivos não possibilitaram um renascimento para a banda. Todavia, em 2004, como não raro sói ocorrer com o que de bom é feito em nosso país, a Patife Band foi redescoberta pela gravadora inglesa Soul Jazz, especializada em música experimental de todo o planeta, que incluiu a faixa Teu Bem (cá pra nós, uma má escolha em se tratando da obra da Patife Band) numa excelente coletânea dedicada ao post punk paulistana, The Sexual Life of the Savages - Post Punk From Sao Paulo, Brazil. Animada quiçá por esse revival, no ano passado a banda lançou o CD Ao Vivo, gravado no Festival Demo Sul, em Londrina.


Discografia
selecionada:






Patife Band EP
(1985)

01) Tijolinho
02) Pregador Maldito
03) Pesadelo
04) Tô Tenso
05) Noite Feliz
06) Peiote


Considerado em retrospectiva, o ep de estréia da banda acaba por soa como um rascunho para o lp de 1987: afinal de contas, das 6 faixas presentes, 3 (Tô Tenso, Pregador Maldito e Pesadelo) seriam regravadas com maior panache, qualidade técnica e destreza instrumental em Corredor Polonês; a que apresenta maiores diferenças em relação a versão ulterior é Tô Tenso, notadamente mais heavy metal, desacelerada e genérica no ep, malgrado conte com um feroz solo de guitarra que André Fonseca não conservaria na regravação ulterior.

No que tange às demais canções, duas são hilariantes versões punk, muito embora um tanto quanto formulaicas, para a tradicional canção natalina Noite Feliz e para o cafonérrimo hit da Jovem Guarda Tijolinho, de autoria da dupla Wagner Benatti e Bobby di Carlo. O destaque vai sem dúvidas para a neurótica Peiote, um obsessivo exercício de dissonância pianística que remete muito, sobretudo em função do delirante arranjo vocal, ao clássico da detonação psicodélica Pow R. Toc H., do mefistofélico arcano Barrett.


___________________________________





Corredor Polonês
(1987)

01) Corredor Polonês
02) Pesadelo
03) Chapeuzinho Vermelho (Lil' Red Riding Hood)
04) Tô Tenso
05) Poema em Linha Reta
06) Teu Bem
07) Três por Quatro
08) Pregador Maldito
09) Vida de Operário
10) Maria Louca


Corredor Polonês é a meu juízo um dos grandes marcos da história do rock brasileiro, um rico e multifacetado painel onde convivem exemplarmente idiomas musicais díspares como o punk, o free jazz, o baião, o mambo, o dodecafonismo e o surrealismo zappiano, tudo isso executado com considerável bom gosto e brilhantismo instrumental.

Reflexo talvez da participação da banda em Cidade Oculta, há todo um notável senso cinematográfico percorrendo o álbum, elemento que marca presença com especial relevo nas duas primeiras faixas: a sombria e inquietante Corredor Polonês, em compasso de fantasmagoria jazz noir colidindo com uma boa dose de agressividade post punk, e a paranóia mercurial de Pesadelo, um punk jazz em metamorfose dodecafônica. Aliás, além da dinâmica cinematográfica, há também toda uma atmosfera de paranóia e desassossego permeando o disco, o que reverbera até mesmo em algo como a metalingüística e fiel versão para a cover que o combo brasileiro de rockabilly Jet Blacks fez, na década de 60, de um clássico do gênero, Chapeuzinho Vermelho (Lil' Red Riding Hood), primeira das duas manifestações de uma oswaldeana antropofagia musical presentes no lp. Logo em seguida temos a canção mais notória da banda, a trovejante Tô Tenso, espécie de hino maudit em denúncia / louvor à urbanóia in extremis de São Paulo, fuzilaria punk assimétrica e minimal turbinada por uma genial arremetida fusion em sua segunda metade.

A quinta faixa é uma surpreendente orquestração free jazz para o Poema em Linha Reta de Fernando Pessoa, onde a rispidez vocal de Paulo Barnabé e as assimetrias instrumentais casam-se às mil maravilhas com a fúria confessional do poeta português. O curioso mambo jazz Teu Bem é a faixa seguinte, a meu ver ligeiramente decepcionante em sua ambiência low key; não obstante o disco logo recobra momentum com a turbulência caótica de Três Por Quarto, dois minutos de esfuziante anarquia musical, onde transita-se de tambores big band para neurose avant, passando por lampejos de flamenco e jazz fusion, com a mesma velocidade flamejante e precisão maníaca de um Naked City. Pregador Maldito, ode à monomania cuja tessitura sonora transfigura uma espécie de insólita paródia da melodia principal de Pedro e o Lobo, do compositor erudito russo Prokofiev, entremeada por interlúdios lounge jazz. Vida de Operário, um baião de protesto, é a segunda emanação de antropofagia oswaldeana no disco; e Maria Louca, por fim, peça instrumental de avant jazz anguloso, encerra Corredor Polonês com grande intensidade e finesse.

_________________
"Uma única coisa deve importar ao Homem: permanecer de pé entre as ruínas" - Julius Evola

"A sanidade é para os fracos" / "É preciso humilhar o intelecto" - Roman Nickolai Maximilian von Ungern-Sternberg

E na Jihad combateremos, o admirável coração tranqüilo, a espada violenta, resignados a matar e a morrer!

NEVÁ SVRRENDÁ!!!


_____

http://worden.blogspot.com


Última edição por Kamikaze em Seg Ago 27, 2012 6:49 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Kollaps

avatar


MensagemAssunto: Re: Obscuridades do Rock Brasileiro / Parte I - Patife Band   Seg Ago 27, 2012 6:44 am

Patife band é foda demais. Mais uma das bandas que muito gringo gosta e no Brasil, se não fosse pela internet, eu jamais conheceria o som dos caras.

_________________
"The creation and destruction of harmonic and 'statistical' tensions is essential to the maintenance of compositional drama. Any composition (or improvisation) which remains consistent and 'regular' throughout is, for me, equivalent to watching a movie with only 'good guys' in it, or eating cottage cheese." FZ
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Kamikaze
Admin
avatar


MensagemAssunto: Re: Obscuridades do Rock Brasileiro / Parte I - Patife Band   Seg Ago 27, 2012 3:15 pm


Vou ver se retomo esta série. Pensar

_________________
"Uma única coisa deve importar ao Homem: permanecer de pé entre as ruínas" - Julius Evola

"A sanidade é para os fracos" / "É preciso humilhar o intelecto" - Roman Nickolai Maximilian von Ungern-Sternberg

E na Jihad combateremos, o admirável coração tranqüilo, a espada violenta, resignados a matar e a morrer!

NEVÁ SVRRENDÁ!!!


_____

http://worden.blogspot.com
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Coroné
Admin
avatar


MensagemAssunto: Re: Obscuridades do Rock Brasileiro / Parte I - Patife Band   Seg Ago 27, 2012 6:48 pm

bost c'o mensaje subliminar Pensar

_________________
AL-HARBV AL-MVQADDASATV!!!1 | LATEM YVÆH \m/ | CSSML†NDSMD†VRSNSMV†SMQLIVB | NJEMALS KAPJTVLJEREN/NÈVÁ SVRRENDÁ!!!11111 | поцеловать мою задницу
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Kamikaze
Admin
avatar


MensagemAssunto: Re: Obscuridades do Rock Brasileiro / Parte I - Patife Band   Seg Ago 27, 2012 6:50 pm

O preço da Liberdade é a Eterna Vigilância.

Mestre ReservaMoral Mestre

_________________
"Uma única coisa deve importar ao Homem: permanecer de pé entre as ruínas" - Julius Evola

"A sanidade é para os fracos" / "É preciso humilhar o intelecto" - Roman Nickolai Maximilian von Ungern-Sternberg

E na Jihad combateremos, o admirável coração tranqüilo, a espada violenta, resignados a matar e a morrer!

NEVÁ SVRRENDÁ!!!


_____

http://worden.blogspot.com
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Obscuridades do Rock Brasileiro / Parte I - Patife Band   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Obscuridades do Rock Brasileiro / Parte I - Patife Band
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Improviso total!!! Rs', Com bateria Rock Band!
» O melhor do jazz brasileiro
» Som da minha Banda de "Rock Progressivo"
» Rock Australiano - Jarrah Thompson Band
» Parceria entre o Fórum MJ, Your Rock My World e Web Rádio Neverland

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Less is More - O F.O.R.O.  :: GERÁV-
Ir para: